Vontade de fazer cocô no parto é normal e não deve causar NENHUM constrangimento






















De acordo com o obstetra Alberto Guimarães, da rede Parto sem Medo, o assunto deve ser tratado com a maior naturalidade possível, inclusive entre as doulas, parteiras, equipe e médicos que acompanharão as parturientes na sala.

Posso ter vontade de fazer cocô no parto?

Sim. Segundo o médico, a maioria das mulheres tem essa vontade, pois o intestino fica atrás do canal vaginal e a região é empurrada quando o bebê passa. A vontade de fazer cocô, inclusive, é um dos sintomas que indicam que o trabalho de parto está começando. Durante o processo do nascimento, os hormônios liberados podem fazer com que a vontade de ir ao banheiro aumente. Essa sensação é bem parecida com a que a mulher tem durante a menstruação.




Devo mudar minha alimentação para o parto?

O obstetra diz que não. Pelo contrário, é preciso estar bem alimentada para enfrentar o trabalho de parto, que demanda muita energia. A principal recomendação, segundo o médico, é não se preocupar com essa vontade e/ou possibilidade de fazer cocô. Afinal, todo mundo faz isso.


Tenho vergonha, posso segurar a vontade?

Jamais. O Dr. Alberto Guimarães diz que isso inclusive é bastante prejudicial, pois a mãe ficará preocupada em segurar a vontade e não irá relaxar para o nascimento do seu bebê. Ele explica que o movimento de segurar o cocô também irá travar o canal da vagina, prejudicando a saída do neném.


Ainda existe lavagem intestinal pré-parto? Como é? Posso fazer?

Existe sim, mas não é mais praticada com frequência. O médico aplica medicamentos no ânus da paciente, o que deixa as fezes líquidas para que a lavagem ocorra. A mulher até acaba evacuando antes do parto, mas isso não impede que durante o trabalho de parto, com as contrações, saia mais fezes, mas ainda líquidas e não consistentes. Apesar de não recomendado, se a paciente quiser, o médico deve atender seu pedido.


O bebê pode ser contaminado se eu fizer cocô no parto?

Não. O obstetra diz que o bebê não costuma entrar em contato com o cocô da mãe, especialmente se a equipe de acompanhamento limpar o quanto antes. Mas, mesmo que entre, o filho já criou anticorpos durante a gestação.


Vale lembrar que toda equipe que acompanha um trabalho de parto está preparada e acostumada com a evacuação por parte das parturientes, e está focada em prestar auxílio à mamãe e ao bebê que está nascendo. O médico destaca que o papel da equipe na sala de parto é dar total suporte, e não deve haver constrangimento. Porém, se houver, pode e deve ser repreendido. A dica é relaxar para que o bebê possa nascer com tranqüilidade.


ESCRITO PORMARIANA RISCALA