Mães que comem frutas na gravidez tem bebês mais inteligentes, sugere pesquisa




















Todos sabemos que comer frutas traz inúmeros benefícios à saúde, mas talvez nunca havíamos pensado que seriam importantes para o crescimento da inteligência nos bebês. Mas é verdade. Os pesquisadores realizaram um estudo em gestantes do Canadá e tiveram como ponto de partida uma pesquisa já existente chamada de “Canadian Healthy Infant Longitudinal Development Study” – com informação de mais de 3500 mães e filhos e testes de QI de 688 crianças com um ano de idade, naturais da cidade de Edmonton, no Canadá.

Fruta no cardápio da gestante




O autor e professor de pediatria na Universidade da Faculdade de Medicina e Odontologia de Alberta, Piush Mandhane, disse ao jornal EbioMedicine que “quanto mais tempo uma criança fica no útero, mais ela se desenvolve” –
A CONCLUSÃO DO ESTUDO REVELA QUE MAIS DE UMA PEÇA DE FRUTA POR DIA FAVORECE A GESTAÇÃO, FAZENDO COM QUE PAREÇA QUE O BEBÊ TENHA FICADO NO ÚTERO UMA SEMANA MAIS.

Fruta sim, mas com moderação




As conclusões dos especialistas foram surpreendentes revelando um aumento de seis a sete pontos na escala do quociente de inteligência (QI) nos bebês nascidos de mães que consumiram frutas durante a gravidez. Contudo, como tudo, os excessos são negativos, até mesmo da fruta. A fruta não deve ser comida em grande quantidade devido ao açúcar contido nela – a frutose. “A frutose em excesso pode ser depositada em forma de gordura no fígado; é preciso ter cuidado. Recomendo 3 porções por dia”, adverte Alberto D’Auria, obstetra do Hospital e Maternidade Santa Joana (SP), e acrescenta que a solução perfeita é construir um menu junto com um nutricionista e obstetra.
Já os sucos de fruta devem ser consumidos não como substitutos da água, mas sim como substitutos de um lanchinho rápido. Se tem sede, beba água.
Andrea Bottoni, coordenador da equipe de nutrologia da rede do São Luiz unidade Anália Franco, explica que o nosso cérebro tarda em detectar a frutose em forma líquida e manda calmamente uma mensagem para a “torre controladora” da fome em nosso cérebro afirmando que os níveis glicêmicos já estão bons. Contudo, é necessário ter atenção com o consumo de suco de frutas uma vez que assim você acaba consumindo muito mais açúcar.

A fruta e suas propriedades




No geral, as frutas são recomendadas para as gestantes porque são fontes de água, carboidratos, vitaminas e sais minerais. Algumas mulheres preferem frutas mais ácidas, como o abacaxi, laranja ou tangerina, e essa preferência advém da alteração do seu paladar devido a um desnível da acidez da saliva e ao crescimento das papilas gustativas. Desta forma, a gestante vai procurar alimentos que aumentam a salivação, “por que quanto mais saliva ela tiver e quanto mais ácido ela ingerir, mais facilidade terá em fazer a digestão” – explica o obstetra.

A acidez da fruta e a digestão




Apesar do abacaxi parecer muito ácido no paladar, na verdade, não é tanto. Ele é benéfico porque contém uma boa quantidade de fibras, facilita a digestão e reduz a absorção de gorduras até 30%.
Fontes de vitamina C como o kiwi, a laranja, o limão e a acerola, ajudam na absorção do ferro. Dessa forma, quando comer proteínas como carne ou feijão, combine a refeição com uma fruta rica em vitamina C para que a absorção de todos os nutrientes seja mais eficaz.
As gestantes com necessidade de hidratação devem comer melancia, uma fruta cheia de água e baixa em calorias. Agora, falando de gorduras, o abacate é rico em calorias e gordura, mas tais fatos, não querem dizer que ele deva ser ignorado. Pelo contrário. Ingerido com moderação no final da gravidez ele oferece imensos benefícios porque “tem um índice grande de magnésio e por isso ajuda nas cãibras, na fadiga e no cansaço”, esclarece o nutricionista Andrea Bottini.
Assim, o consumo de fruta moderado traz benefícios para o desenvolvimento do seu bebê e fica parecendo que teve mais de uma semana de gestação! Pondere incluir em seu cardápio 3 peças de fruta diariamente!



Quer saber mais sobre o assunto? Então assista ao vídeo:



Fonte: Gravidez Online